Busca  
  Mapa do Portal
 

Vestibular


22775 itens:


• UFSCAR - Univ. Federal de São Carlos/2004/História
Observe as imagens, que pertencem ao manuscrito de um cronista inca, "Guaman Poma de Ayala" (1526-1614).
Leia as afirmações seguintes, a respeito dos incas.

I. Praticavam a agricultura da batata.
II. Utilizavam arado de tração animal.
III. Homens e mulheres trabalhavam nas atividades agrícolas.
IV. Tinham calendário agrícola, respeitando épocas de plantar e colher.
V. Tinham uma escrita própria, desenvolvida desde o século XIV.

Estão corretas as afirmações:


• UFES - Univ. Federal do Espírito Santo/2004/História
"Quando as embarcações de Colombo aportaram na América, de fato não a 'descobriram', pois muita gente já vivia em nosso continente. O que de fato ocorreu foi a integração da América ao continente europeu, ou, mais exatamente, à sociedade mercantil.
Há quem pense que essa integração foi um favor que os europeus 'civilizados' prestaram aos indígenas 'bárbaros'. Isto não é verdade. As sociedades nativas eram socialmente muito complexas e desenvolvidas e sua incorporação teve custos humanos imensos, graças a massacres cruéis perpetrados pelos cristãos 'civilizados' da Europa."
(PINSKY, J. et al. "História da América através de textos". São Paulo: Contexto, 1991, p. 11)

Acerca das "Altas Culturas" pré-colombianas, NÃO é correto afirmar que


• UFSCAR - Univ. Federal de São Carlos/2003/História
A mandioca, a batata-doce, a araruta, o milho, o feijão, o amaranto e o amendoim são utilizados como alimentos atualmente, porque foram


• FATEC - Centro Est. de Educação Tecno. Paula Souza/2003/História
Os astecas davam o nome de Chinampas


• UFSM - Univ. Federal de Santa Maria/2002/História
As características a seguir dizem respeito a uma cultura pós - clássica dos ameríndios.

- Ainda que fossem religiosos, não eram teocráticos.
- Seu comércio era comandado pelos pochtecas.
- Seus sacerdotes se entregavam a penitências e jejuns.
- Dividiam o ano em 18 meses de 20 dias.

Essas características se referem aos


• UFC - Univ. Federal do Ceará/2002/História
Recentemente, Alejandro Toledo foi eleito presidente do Peru. Durante a campanha eleitoral, foi chamado de "Pachacútec", numa alusão ao imperador incaico que consolidou um império nos Andes centrais. Sobre a sociedade incaica, é correto afirmar que:


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2000/História
Sobre os povos dos sambaquis, é incorreto afirmar que:


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2002/História
Em 2001, Alejandro Toledo tornou-se o primeiro peruano com ascendência indígena a assumir a presidência da república de seu país. A cerimônia de posse, em Machu Picchu, foi marcada por rituais e símbolos do império incaico.
A respeito dos incas, é CORRETO afirmar:


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2001/História
O "ayllu" como núcleo fundamental da civilização Incaica representa:


• UFSM - Univ. Federal de Santa Maria/2000/História
A população inca vivia em pequenas coletividades agropastoris, as aldeias. Essas aldeias eram de vários tamanhos e habitadas por
famílias unidas por laços de parentesco ou aliança, formando um conjunto denominado


• UFPE - Univ. Federal de Pernambuco/2000/História
O longo processo evolutivo, que se realizou na África, culminou com a aparição do homem na Terra (o chamado gênero 'Homo'), a partir de um ancestral comum ao homem e aos macacos antropoides. O 'Homo erectus' e o 'Homo ergaster' migraram da África, há pelo menos um milhão de anos e povoaram a Ásia. O 'Homo antecesor' iniciou o povoamento da Europa, há 800.000 anos. Há 100.000 anos, o homem de Neandertal ocupava também a Europa e a Ásia Menor. Todas essas espécies extinguiram-se, restando apenas o 'Homo sapiens' moderno, única espécie sobrevivente, à qual todos pertencemos.

Baseado nessas informações, analise as proposições a seguir:

1) A América estava completamente despovoada quando Colombo ali chegou, pela primeira vez, descobrindo o chamado Novo Mundo.
2) A América, antes dos descobrimentos dos espanhóis e portugueses, já estava povoada por numerosos grupos humanos de diferentes culturas, embora todos pertencessem à mesma espécie humana, a do 'Homo sapiens' moderno.
3) Depois de povoar a Ásia, o 'Homo erectus' conseguiu chegar também à América, faz meio milhão de anos.
4) Os primeiros homens que povoaram a América, chegaram desde a Ásia, através do Estreito de Bering.
5) Os primeiros habitantes da América pertenciam a uma espécie humana hoje extinta.

Estão corretas apenas:


• UFV - Univ. Federal de Viçosa/2005/História
O uso da denominação América Latina é problemático, devido à grande diversidade econômica e social entre os países que se originaram da colonização ibérica e francesa. Todavia, há uma relativa unidade entre eles, que pode ser percebida na identidade dos problemas e das situações que enfrentam desde sua emancipação política.
Sobre a unidade entre os países latino-americanos, é CORRETO afirmar que:


• UFG - Univ. Federal de Goiás/2005/História
O peronismo na Argentina (1946-1955) caracterizou-se por uma política populista com forte inspiração nas doutrinas fascistas do pós-guerra. Essa relação é percebida no


• UFF - Univ. Federal Fluminense/2005/História
O filme "Diários de motocicleta" colocou em evidência a figura de Ernesto Guevara, médico argentino, líder revolucionário, na década de 1960. Ao lado do romantismo que envolve a figura de "CHE" há um processo histórico sangrento e dotado de um sentido de busca da identidade da América Latina, incluído aí o Brasil. Esse sentimento decorreu da exploração imperialista que conduziu o mundo latino-americano ao subdesenvolvimento.
("Época", 09/08/2004)

A partir das referências contidas no texto, assinale a opção que reúne fatos ilustrativos da repressão aos movimentos sociais de oposição à política americana para a América Latina.


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2005/História
Há duzentos anos, a revolução dos "jacobinos negros" derrotou a França napoleônica e aboliu a escravidão. Hoje, o Haiti amarga o fim das esperanças na "segunda independência" prometida por Aristide.
(CARLOS, Newton. "Jornal Mundo", abril de 2004.)

HAITI
Ninguém é cidadão
Se você for ver a festa do Pelô
E se você não for
Pense no Haiti
O Haiti é aqui
O Haiti não é aqui
(Gilberto Gil e Caetano Veloso)

A situação crítica do Haiti hoje nos reporta ao período de sua independência, demonstrando que as esperanças dos "jacobinos negros" foram frustradas. Em sua música, Gil e Caetano mencionam o Haiti, correlacionando seus problemas com os do Brasil.
Atualmente, o principal elemento comum entre a crise que afeta a sociedade do Haiti e a do Brasil é:


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2005/História
MÉXICO: PERTO DO INFERNO
Nos 10 anos de vigência do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), o salário real da maioria dos trabalhadores diminuiu, aumentou a desigualdade e os trabalhadores do campo viram recair sobre suas costas o preço mais duro dos ajustes fiscais.
(SADER, Emir. "Jornal do Brasil", 06/06/2004.)
Dados de 2001
Fontes: JP Morgan. EMBI e Latin America Monitor
(Adaptado de "Veja", 27/03/2002)

Pelas informações acima, pode-se constatar a contradição entre índices econômicos favoráveis e crescimento de desigualdades sociais no México. Contradição semelhante verificou-se no Brasil na época do chamado "Milagre Econômico".

Essa contradição, considerando os casos de México e Brasil, está vinculada essencialmente ao processo de:


• PUC/PR - Pont. Univ. Católica do Paraná/2005/História
"Se a América deve ser para os americanos, os Estados Unidos têm de assumir a função de polícia para garantir que todo mundo se comporte como deve e haja ordem no Continente."

A frase de Theodore Roosevelt relaciona-se com:


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2005/História
Podemos definir o macartismo como:


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2005/História
A emenda Platt, definida pelo Congresso norte-americano em 1901, estabelecia:


• UFU - Univ. Federal de Uberlândia/2004/História
"Não há uma real 'democratização' na América Latina. Revivem aquelas instituições que, no passado, eram democráticas e formavam um sistema. Hoje elas não formam um sistema. Está havendo na América Latina um consumo eleitoral. Os governos latino-americanos mantiveram o processo eleitoral, mas não o resto. A garantia de cidadania plena para todos se reduziu junto com os direitos sociais."
Milton Santos. "Folha de São Paulo", 30/07/2000.

Assinale a alternativa que corresponde ao quadro político e social analisado pelo professor Milton Santos.



• UFSM - Univ. Federal de Santa Maria/2004/História
"Bravo!", set. 2002. p. 52.

Na gravura, cena do filme Cidade de Deus, traficantes cariocas exercitam o cotidiano da violência - eliminação física dos concorrentes - própria do comércio de drogas. A respeito dessa atividade, é possível afirmar:

I - Tem sustentado e deposto governos da América Latina.
II - Viabiliza economicamente a sobrevivência de grupos guerrilheiros na América Latina.
III - Traz a paz social e a prosperidade econômica para as áreas onde se instala.
IV- Expande-se graças a uma demanda crescente nas mais variadas classes sociais.

Está(ão) correta(s)


• UFRGS - Univ. Federal do Rio Grande do Sul/2004/História
A implantação das políticas econômicas neoliberais nos países da América Latina, no âmbito do chamado Consenso de Washington, foi obra dos presidentes


• UFG - Univ. Federal de Goiás/2004/História
As décadas de 1960 e de 1970, na América Latina, foram marcadas por ditaduras civis e militares. A nova ordem política legitimava-se em nome dos princípios da Doutrina de Segurança Nacional que, sob inspiração norteamericana, defendia


• UFES - Univ. Federal do Espírito Santo/2004/História
Ao assumir a presidência dos Estados Unidos, em 1961, o candidato democrata John Fitzgerald Kennedy viu-se compelido, devido à vitória da Revolução Cubana, a reforçar o sistema pan-americano de modo a preservar a hegemonia norte-americana sobre o continente e impedir o avanço do comunismo. Com esse propósito, convocou-se a Conferência Econômica e Social de Punta del Este, em agosto de 1961, ocasião em que foram fixadas diversas diretrizes, visando ao desenvolvimento da América Latina, com a previsão de um volume de investimentos externos da ordem de 20 bilhões de dólares, a serem desembolsados num prazo de dez anos.
Esse projeto desenvolvimentista para a América Latina, gerenciado pelos E.U.A. e fruto da nova política externa implementada pelo governo Kennedy no contexto da Guerra Fria, ficou conhecido como


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2004/História
TRÁFICO INTERNACIONAL DE DROGAS
(VIZENTINI, Paulo G. F. A nova ordem global. Porto Alegre: UFRGS, 1996.)

A partir da década de 1990, em um novo cenário mundial, o tráfico internacional de drogas transformou-se em uma das principais preocupações da política externa dos EUA em relação aos países da América Latina.
Um dos motivos para a existência desse problema em países latino-americanos e a solução proposta pelos EUA são:


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2004/História
ÓPERA
(...)
O sol nasceu
No mar de Copacabana
Pra quem viveu
Só de café e banana
Tem gilete, Kibon
Lanchonete, Neon
Petróleo
Cinemascope, sapólio
Ban-lon
Shampoo, tevê
Cigarros longos e finos
Blindex fumê
Já tem Napalm e Kolinos
Tem cassete e rai-ban
Camionete e sedan
Que sonho
Corcel, Brasília, plutônio
Shazam
Que orgia
Que energia
Reina a paz
No meu país
Ai, meu Deus do céu
Me sinto tão feliz.
Chico Buarque/1977-1978
Para a peça Ópera do malandro, de Chico Buarque. (www.chicobuarque.com.br)

A letra de Chico Buarque de Holanda ironiza a intervenção imperialista que, na América Latina, no século XIX, havia se caracterizado, prioritariamente, por:


• MACKENZIE - Univ. Presbiteriana Mackenzie/2004/Inglês
TELSTRA TOWER

Telstra Tower was officially opened on May 15, 1980 by the then Prime Minister,Malcolm Fraser. Built on the summit of Black Mountain Canberra, Australia, it soon became known to the locals as Black Mountain Tower.
Black Mountain is a sensitive and stunning part of the Canberra environment, a national park of significant interest in the ecological world with its unique collection of flora and fauna. The Tower was clearly going to be a landmark which some people felt would dominate other aesthetic Canberra structures. As time progressed a feeling of outrage and vigorous protest against the project was evident among some people. Protests against the Tower on aesthetic and ecological grounds were strongly voiced during the earlier stages of the approval procedures, and at the various hearings which included a lengthy Supreme Court case.
The Tower saga started in April 1970 when Telecom asked the Department of Housing and Construction to carry out a feasibility study in relation to a tower on Black Mountain, accommodating both communication services and facilities for
visitors. The planning of the Tower was carried out by the Department of Housing and Construction while the actual building itself, was the responsibility of Concrete Constructions. The impressive stainless steel work, was by William H. Wilson of Sydney.
The National Capital Development Commission (NCDC) held a unique
responsibility for the development of Canberra. Every new structure required their specific approval. The planning skill of the NCDC was reflected in the beauty of the City. Their longstanding authority over the City development had never been seriously challenged. Thus the public clash which ultimately
developed between Telecom and the NCDC over the Tower design, was an unfortunate affair for both parties.
(From: Telstra Tower - Designed and produced by Ideas & Directions, Canberra, Australia, 2003)

According to the text, check the WRONG alternative:


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2004/História
O caminho para a revolução pela longa guerra de guerrilha foi descoberto um tanto tardiamente pelos revolucionários sociais do século XX (...). A própria palavra "guerrilha" não fazia parte do vocabulário marxista até depois da Revolução Cubana de 1959.
(HOBSBAWM, Eric J. Era dos Extremos: o breve século XX: 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.)

A guerrilha foi fundamental para a vitória, em Cuba, no ano de 1959, do Movimento 26 de Julho, liderado por Fidel Castro e Che Guevara.
O grupo revolucionário cubano fez a opção por essa estratégia por acreditar que:


• PUC/CAMPINAS - Pont. Univ. Católica de Campinas/2004/História
Para responder à questão, considere a história em quadrinhos a seguir.
(Quino. "Mafalda a Contestatária". Lisboa: Publicação Dom Quixote, 1972)

O cartunista argentino, Quino, utiliza-se de expressões que correspondiam a fatos históricos ocorridos na América Latina, principalmente nas décadas de 1960 e 1970. Neste contexto histórico, pode-se identificar como exemplo de um processo revolucionário,


• UFRRJ - Univ. Federal Rural do Rio de Janeiro/2005/História
Getúlio Vargas até hoje é um nome conhecido por muitos brasileiros. A maneira de Getúlio Vargas governar, nas décadas de 30 a 50, modo esse típico da América Latina, denominou-se Populismo.
O Populismo varguista também é chamado de Trabalhismo, uma forma específica (própria dele) de Getúlio lidar com a questão dos trabalhadores.

Em relação ao Trabalhismo de Vargas é correto se afirmar que:

I - As leis trabalhistas de Getúlio só valiam para os trabalhadores urbanos. Porém sabe-se que, na época, 60% dos brasileiros viviam no campo.
II - O campesinato brasileiro foi amplamente beneficiado pelas leis trabalhistas, visto que Getúlio defendia a Reforma Agrária.
III - A concessão de direitos trabalhistas estava voltada a evitar greves, uma vez que o pacto populista, proposto por Getúlio aos trabalhadores, buscava inibir o avanço das forças trabalhistas com vistas a uma revolução socialista igual à da Rússia.
IV - Getúlio concedeu o direito de greve aos trabalhadores, subordinando os sindicatos ao Ministério das Relações Exteriores.
V - O Estado Novo se valia do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP). A propaganda política tentava convencer os brasileiros de que Getúlio era o "pai dos pobres".

Estão corretas as afirmações:


• PUC/CAMPINAS - Pont. Univ. Católica de Campinas/2004/História
O terceiro dos veículos de massa era inteiramente novo: rádio. [...] O rádio transformava a vida dos pobres, e sobretudo das mulheres pobres presas ao lar, como nada fizera antes. Trazia o mundo à sua sala. Daí em diante, os mais solitários não precisavam mais ficar inteiramente a sós. E toda a gama do que podia ser dito, cantado, trocado ou de outro modo expresso em som estava agora ao alcance deles. [...] sua capacidade de falar simultaneamente a incontáveis milhões, cada um deles sentindo-se abordado como indivíduo, transformava-o numa ferramenta inconcebivelmente poderosa de informação de massa, como governantes e vendedores logo perceberam...
(Eric Hobsbawn. As artes (1914-1945), in "Era dos extremos. O breve século XX (1914-1991)")

A veiculação de propaganda política através do rádio foi um recurso amplamente usado pelos governos populistas de Vargas e Perón na América Latina. A transmissão de discursos presidenciais especialmente direcionados aos ouvintes tinha por objetivo principal


• PUC/RS - Pont. Univ. Católica do Rio Grande do Sul/2003/Inglês
It Takes Tech to Tango

Way past Ikea lies a Swedish housing complex that is ecologically sound and wired for all sorts of remote control
fiddling with heat, power and security.
Peter Soderlholm pays two or three times the market rate for the 850-square-foot apartment he and his wife moved into last year in the Swedish city of Malmo, an apartment about half the size of their previous home. That's quite a premium for a unit located on a contaminated former Saab factory site, even if it sits by the sea and on a clear day offers a view of the Danish coast 10 miles away. But Soderlholm and his wife, Gunvor, are happy to pay: they live in Tango, a green-and-wired 27-unit complex that decontaminates its own soil, recycles its water into a rebuilt marsh ecology, generates power from renewable sources, uses roof space to put oxygen back into the environment and, through sensors and broadband Web access, allows owners to remotely monitor and control everything from energy use to electronic key access. Soderlholm can sit on his balcony, survey the Oresund like a sea captain, and know that he lives on a showcase for the convergence of home technologies that, piece by piece, are popping up in developments in Europe and the United States.

("Popular Science", May 2003)

The first paragraph informs that those who live in the housing complex


• UNIRIO - Univ. Federal do Estado do Rio de Janeiro/2004/História
Em 11 de setembro de 1973, o Chile sofreu um golpe militar que derrubou o governo do presidente Salvador Allende, iniciando um período de exceção que provocou o desaparecimento e a morte de milhares de pessoas no país.
Dentre os diversos antecedentes, aquele que contribuiu para o golpe militar é


• UFLA - Univ. Federal de Lavras/2003/Inglês
A variety of experiments can be performed to illustrate the nature of light, but perhaps the most well known is the classic "double slit experiment" first performed by Thomas Young in 1803. In the first part of the experiment, a light is shone through a tiny vertical slit in a screen and allowed to pass on to a second detecting screen. The light spreads out after passing through the hole, and a large illuminated area that fades into darkness at the edges shows up on the detecting screen. To form this pattern, the light actually bends or diffracts when passing through the slit.
In the second part of the experiment, light is shone through two paralels slits. This time the light passes through the slits, but instead of creating a large lighted area, the detecting screen now shows alternating bands of light and darkness. The band in the center is the brightest. Around that are alternating bands of light and darkness with the light bands becoming less intense the farther away they are from the central one.
What is happening is called the "phenomenon of interference". The waves of light from the two slits interfere with £each other. Like all waves, light waves have crests, their highest points, and throughs, their lowest points. In places where the crests coming from one slit extend over the crests coming from the other slit, the result is an intensification of light, and light bands appear on the detecting screen. In places where the crests from one slit overlap the throughs from the other slit, they cancel each other out, and the result is an area of darkness on the detecting screen.
But what happens if particles of light, or photons, are shot one after the other through the slits? If only one slit is open, these photons build up the same pattern as that of the beam of light. The fascinating thing is that if two slits are open and photons are fired one at a time through either of them the pattern that builds up on the detecting screen is the same pattern obtained when a beam of light is shone through two slits. In other words, a single photon appears to "know" whether one slit or two are open.
(Gear, Jolene & Gear, Robert - Cambridge Preparation for the TOEFL Test - 2002 - Cambridge University Press - UK)

Look at the phrase EACH OTHER in the passage (ref. 2). Choose the one best alternative that EACH OTHER refers to:


• UNIRIO - Univ. Federal do Estado do Rio de Janeiro/2004/História
"A liberdade é preciso garanti-la com o trabalho, dando ao homem primeiro liberdade econômica, que é fundamental. Nós não somos partidários da liberdade unilateral que se tem há muito tempo, dentro da qual o rico tem liberdade para fazer tudo o que quiser e o pobre uma única liberdade: a de morrer de fome."
(Discurso de Juan Perón em 9.7.1947, in: Doutrina Peronista, 1952.)

O peronismo argentino exemplifica uma das expressões mais duradouras do fenômeno populista surgido na América Latina em meados do século XX. Sua ação política valorizava a imagem de seus líderes carismáticos, Juan e Eva Perón, símbolos centrais da Nova Argentina. A doutrina peronista, de forte apelo popular, caracterizava-se por defender


• UFC - Univ. Federal do Ceará/2004/História
Sobre a política oligárquica na América Latina (1880-1930), é correto afirmar que:


• PUC/RS - Pont. Univ. Católica do Rio Grande do Sul/2004/Inglês
Dame Yankee - the screen legend
Katharine Hepburn

Kate Remembered - appeared with suitable briskness, less than two weeks after the June 29 death of Katharine Hepburn at age 96. Her own ¢departure was one stipulation Hepburn placed on A. Scott Berg before the esteemed biographer of Max Perkins, Samuel Goldwyn and Charles Lindbergh could tell her stories. And as it happened, that gave Berg twenty years of friendship with the great actress to prepare this unusual and unusually fitting "account", as he describes it, of a life lived outside the usual in virtually all things.
Hepburn herself referred to Berg as her biographer, but Kate Remembered is a very unorthodox biography: "Remembered" is the key word, since his touching, encoded tribute is as much about what it meant to be a devoted friend as it is about the object of devotion. And, indeed, Remembered begins dubiously - and somewhat crustily - with a story about how Berg met Hepburn. Writing a magazine article about the star, the writer shows up at her Manhattan door and is immediately commanded to use the bathroom by the hostess, certain she knew a guest's bladder better than the owner did.
An understanding of one another quickly follows. And so, gradually, does a sense not only of what Hepburn did, and with whom, but perhaps the closest we can come to feeling what it was like to live Hepburn's life as she did in a pattern of attachments and detachments.

(by Lisa Schwarzbaum, Entertainment Weekly, July 25, 2003. p.74)

Conforme empregado nesse texto, o termo "account" (ref. 2) se enquadra na seguinte definição de dicionário:


• FATEC - Centro Est. de Educação Tecno. Paula Souza/2002/Inglês
62,000 phones left in London cabsBut survey finds only half of lost mobile phones claimed

LONDON, AUG.31 - Lost your mobile phone, handheld computer, daughter? Chances are you left them in the back of a London cab. An estimated 62,000 mobile phones or nearly three for each taxi in Britain's capital, were left behind in London cabs during the first six months of this year, a recent survey found.
The survey by Taxi Newspapers and British security software company Pointsec Mobile said cabbies also discovered 2,900 laptops and 1,300 handheld computers in their back seats.
But only half of the lost phones were claimed, with many owners betting their operating service would replace the lost phone with a new and better telephonic gadget.
Many mobile phone operating companies would rather give out new handsets than see their clients defect to rival services, which often try to lure customers by offering the latest mobile phones free for switching services.
The survey comes shortly after media reports that a bodyguard for Britain's Prince William lost his personal organizer, allegedly carrying some royal numbers, in a taxi.
A little girl was among a strange list of other items cabbies said they had found, including a goldfish in a water-filled bag, a suitcase full of diamonds and 2,000 pounds($2,900) in cash.
MSNBC / Reuters, August 31, 2001 - www.msnbc.com

Assinale a alternativa que apresenta, respectivamente, a forma infinitiva dos verbos "lost", "left" e "found", presentes ao longo do texto, principalmente no primeiro parágrafo.


• PUC/RS - Pont. Univ. Católica do Rio Grande do Sul/2004/História
A chamada "Crise dos Mísseis", de 1962, que levou as relações Washington - Moscou a um ponto crítico no contexto da Guerra Fria, foi resultante


• PUC/MG - Pont. Univ. Católica de M. Gerais/2004/História
A foto adiante reproduzida apresenta dois membros do Partido Panteras Negras, fundado nos EUA em 1966. Sua análise e contextualização histórica permitem afirmar:


• UFSM - Univ. Federal de Santa Maria/2004/Inglês
Europe is born

In spring 1950 Europe was on the edge of the abyss. With the onset of the Cold War, the threat of conflict between its eastern and western halves loomed over the continent. Five years after the end of World War Two, the old enemies were still a long way from reconciliation. What could be done to avoid repeating the mistakes of the past and to create the right conditions for a lasting peace between such recent enemies? The nub of the problem was the relationship between France an Germany. A link had to be forged between the two and all the free countries in Europe had to be ¤united around them so that they could work together on building a community with a shared destiny. It was Jean Monnet, with his unique wealth of experience as a negotiator and man of peace, who suggested to the French Foreign Minister, Robert Schuman, and the German Chancellor, Konrad Adenauer, that a community of interest be established between their countries, in the shape of a jointly managed market in coal and steel under the control of an independent authority. The proposal was officially tabled by France on 9 May 1950, and was warmly received by Germany, Italy, the Netherlands, Belgium and Luxembourg.
The treaty establishing the first European Community. the European Coal and Steel Community or ECSC, was eventually signed in April 1951, opening up the door to a Europe of §practical achievements. Further achievements were to follow until we finally reached the European Union as it is today, a Union now opening up to the eastern half of the continent from which it has too long been separated.
http://europa.eu.int/abc/obj/chrono/40years/ 7days/en.htm 06/06/03

As palavras "independence" e "independent" são, respectivamente, um substantivo e um adjetivo. O mesmo ocorre, respectivamente, em:


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2005/Língua Portuguesa
MYSTERIUM

"Eu vi ainda debaixo do sol que a corrida não é para os mais ligeiros, nem a batalha para os mais fortes, nem o pão para os mais sábios, nem as riquezas para os mais inteligentes, mas tudo depende do tempo e do acaso."
Eclesiastes

1 Ao tempo e ao acaso eu acrescento o grão de imprevisto. E o grão da loucura, a razoável loucura que é infinita na nossa finitude. Vejo minha vida e obra seguindo assim por trilhos paralelos e tão próximos, trilhos que podem se juntar (ou não) lá adiante mas tudo sem explicação, não tem explicação.
2 Os leitores pedem explicações, são curiosos e fazem perguntas. Respondo. Mas se me estendo nas respostas, acabo por pular de um trilho para outro e começo a misturar a realidade com o imaginário, faço ficção em cima de ficção, ah! Tanta vontade (disfarçada) de seduzir o leitor, esse leitor que gosta do devaneio. Do sonho. Queria estimular sua fantasia mas agora ele está pedindo lucidez, quer a luz da razão.
3 Não gosto de teorizar porque na teoria acabo por me embrulhar feito um caramelo em papel transparente, me dê um tempo! Eu peço. Quero ficar fria, espera. Espera que estou me aventurando na busca das descobertas, "Devagar já é pressa!", disse Guimarães Rosa. Preciso agora atravessar o £cipoal dos detalhes e são tantos! E tamanha a minha perplexidade diante do processo criador, Deus! Os indevassáveis signos e símbolos. Ainda assim, avanço em meio da névoa, quero ser clara em meio desse claro que de repente ficou escuro, estou perdida?
4 Mais perguntas, como nasce um conto? E um romance? Recorro a uma certa aula distante (Antonio Candido) onde aprendi que num texto literário há sempre três elementos: a ideia, o enredo e a personagem. A personagem, que pode ser aparente ou inaparente, não importa. Que pode ser única ou se repetir, tive uma personagem que recorreu à máscara para não ser descoberta, quis voltar num outro texto e usou disfarce, assim como faz qualquer ser humano para mudar de identidade.
5 Na tentativa de reter o questionador, acabo por inventar uma figuração na qual a ideia é representada por uma aranha. A teia dessa aranha seria o enredo. A trama. E a personagem, o inseto que chega naquele voo livre e acaba por cair na teia da qual não consegue fugir, enleado pelos fios grudentos. Então desce (ou sobe) a aranha e nhac! Prende e suga o inseto até abandoná-lo vazio. Oco.
6 O questionador acha a imagem meio dramática mas divertida, consegui fazê-lo sorrir? Acho que sim. Contudo, há aquele leitor desconfiado, que não se deixou seduzir porque quer ver as personagens em plena liberdade e nessa representação elas estão como que sujeitas a uma destinação. A uma condenação. E cita Jean-Paul Sartre que pregava a liberdade também para as personagens, ah! Odiosa essa fatalidade dos seres humanos (inventados ou não) caminhando para o bem e para o mal. Sem mistura.
7 Começo a me sentir prisioneira dos próprios fios que fui inventar, melhor voltar às divagações iniciais onde vejo (como eu mesma) o meu próximo também embrulhado. Ou embuçado? Desembrulhando esse próximo, também vou me revelando e na revelação, me deslumbro para me obumbrar novamente nesta viragem-voragem do ofício.

palavra latina para "mistério"
mato abundante de cipós
escondido
cobrir de sombras

(TELLES, Lygia Fagundes. "Durante aquele estranho chá: perdidos e achados". Rio de Janeiro: Rocco, 2002.)

As figuras de linguagem são recursos que afastam as construções lingüísticas de seu valor literal, com o objetivo de tornar essas construções mais expressivas.
O emprego de uma figura de linguagem e sua correta nomeação estão presentes em:


• UFSM - Univ. Federal de Santa Maria/2004/Inglês
Europe is born

In spring 1950 Europe was on the edge of the abyss. With the onset of the Cold War, the threat of conflict between its eastern and western halves loomed over the continent. Five years after the end of World War Two, the old enemies were still a long way from £reconciliation.

What could be done to avoid repeating the mistakes of the past and to create the right conditions for a lasting peace between such recent enemies? The nub of the problem was the relationship between France an Germany. A link had to be forged between the two and all the free countries in Europe had to be united around them so that they could work together on building a community with a shared destiny. It was Jean Monnet, with his unique wealth of experience as a negotiator and man of peace, who suggested to the French Foreign Minister, Robert Schuman, and the German Chancellor, Konrad Adenauer, that a community of interest be established between their countries, in the shape of a jointly managed market in coal and steel under the control of an independent authority. The proposal was officially tabled by France on 9 May 1950, and was warmly received by Germany, Italy, the Netherlands, Belgium and Luxembourg.

The treaty establishing the first European Community. the European Coal and Steel Community or ECSC, was eventually signed in April 1951, opening up the door to a Europe of §practical achievements. Further achievements were to follow until we finally reached the European Union as it is today, a Union now opening up to the eastern half of the continent from which it has too long been separated.
http://europa.eu.int/abc/obj/chrono/40years/ 7days/en.htm 06/06/03

A palavra "lasting" (ref. 1) é um(a)


• UFC - Univ. Federal do Ceará/2004/Inglês
Biopiracy, the exploitation of the natural and intellectual resources of a country without proper compensation, is nothing new in Brazil. The most notorious case is that of Englishman Henry Alexander Wickham, who in 1876 stole rubber tree seeds, hid them between banana leaves and shipped them off to a new plantation in the British colonies in Ceylon, Malaysia. In a few decades the plantation would become the main exporter of latex, ruining the Amazon's lucrative monopoly on the rubber business. Wickham was hated by Brazil's rubber barons who called him "the Executioner of Amazonas". Long before that, right after the discovery of the land by the Portuguese in 1500, the discoverers themselves and then other European explorers just stole from the Indians the knowledge of how to extract a red pigment from 'pau-brasil' (brasil wood).
Adapted from: DALEVI, A. Green Piracy. July 1997. http://www.brazil-brasil.com/cvrjul97.htm

HELPING VOCABULARY
exploitation - exploração
resources - recursos
rubber - borracha
executioner - carrasco, algoz

The only alternative in accordance with the text is:


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2005/Língua Portuguesa
O CORPO

Acrobata enredado
Em clausura de pele
Sem nenhuma ruptura
Para onde me leva
Sua estrutura?

Doce máquina
Com engrenagem de músculos
Suspiro e rangido
O espaço devora
Seu movimento
(Braços e pernas
sem explosão)

Engenho de febre
Sono e lembrança
Que arma
E desarma minha morte
Em armadura de treva.

ARMANDO FREITAS FILHO
http://geocities.yahoo.com.br/jerusalem_ 3/armandofreitasfilho.html

A concisão é uma das características que mais se destacam na estrutura do poema.
Essa concisão pode ser atribuída a:


• FUVEST - Fundação Univ. para o Vestibular/2004/História
Neste mural, o pintor mexicano retratou a morte de Emiliano Zapata. Observando a pintura, é correto afirmar que Rivera


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2005/Língua Portuguesa
OLHOS DE RESSACA
Enfim, chegou a hora da encomendação e da partida. Sancha quis despedir-se do marido, e o desespero daquele lance consternou a todos. Muitos homens choravam também, as mulheres todas. Só Capitu, amparando a viúva, parecia vencer-se a si mesma. Consolava a outra, queria arrancá-la dali. A confusão era geral. No meio dela, Capitu olhou alguns instantes para o cadáver tão fixa, tão apaixonadamente fixa, que não admira lhe saltassem algumas lágrimas poucas e caladas.
As minhas cessaram logo. Fiquei a ver as dela; Capitu enxugou-as depressa, olhando a furto para a gente que estava na sala. Redobrou de carícias para a amiga, e quis levá-la; mas o cadáver parece que a retinha também. Momento houve em que os olhos de Capitu fitaram o defunto, quais os da viúva, sem o pranto nem palavras desta, mas grandes e abertos, como a vaga do mar lá fora, como se quisesse tragar também o nadador da manhã.
(ASSIS, Machado de. "Dom Casmurro". Capítulo 123. São Paulo: Martin Claret, 2004.)

"(...) não admira lhe saltassem algumas LÁGRIMAS poucas e caladas."
"As minhas cessaram logo."

Nessa passagem, encontra-se um recurso de coesão textual em que o termo destacado é retomado por meio de elipse.
Esse mesmo recurso é empregado em:


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2004/Inglês
BETTER THIS TRIAL THAN NONE AT All

For more than four years the United Nations and Cambodia have been trying to reach an agreement that would put Khmer Rouge leaders on trial for genocide in an independent and impartial court. This week the two parties struck an outline deal on the arrangements for a tribunal. The prosecution will be handled jointly by Cambodia and the UN. Cambodian and foreign judges will preside. Trials will be held in Phnom Penh, Cambodia's capital.
The UN legal team originally aimed for a tribunal entirely under its own authority, like those for Rwanda and the former Yugoslavia. The crimes against the Cambodian people when the Khmers Rouges governed the country in 1975-79 were so terrible that they were seen as of international importance, not simply a local matter. But China threatened to use its veto in the Security Council against such a plan, probably fearing that its reputation would be damaged by evidence of how closely it supported the Khmers Rouges over many years.
The UN also found no favour with Hun Sen, the Cambodian prime minister. It had allowed the Khmers Rouges to occupy Cambodia's seat in the General Assembly even after they were deposed. The UN for its part did not trust Mr Hun Sen to act impartially, were the tribunal to be run by Cambodia's government.
The UN was once opposed to Cambodia's plan for a "mixed tribunal", saying it did not meet international legal standards, and a year ago it unexpectedly pulled out of negotiations. But a number of states that took a special interest in Cambodia, notably France, the former colonial power, and Australia and Japan, urged the UN to continue talking. Now the UN and the government have decided to try to make a mixed tribunal work. The draft agreement now goes to the General Assembly and the Cambodian parliament for approval.
Two Khmer Rouge suspects are in custody: Ta Mok, a regional commander known as "The Butcher", and Kang Kek leu, called Ouch, who ran a prison where thousands died. Two other top men, Khieu Samphan, the Khmers Rouges' chief diplomat, and Nuon Chea, the number two in the regime, live in liberty in Cambodia. They deny being involved in atrocities, but are sure to be indicted. leng Sary, the first senior Khmer Rouge to surrender to the government, has been given a royal pardon, although it is unlikely to protect him. At any rate, only top leaders will be indicted: the Cambodians and international jurists agree that wide-ranging trials would be destabilising.
All the suspects are getting old. Pol Pot, their leader, died in 1998. If trials are to be held at all, they must be soon.

The EconomistMarch 22nd 2003
BETTER THIS TRIAL THAN NONE AT All

According to the information in the article, for more than four years the UN and Cambodia have been trying to:


• FUVEST - Fundação Univ. para o Vestibular/2005/Língua Portuguesa
" - Assim, pois, o sacristão da Sé, um dia. ajudando a missa, viu entrar a dama, que devia ser sua colaboradora na vida de D. Plácida. Viu-a outros dias, durante semanas inteiras, gostou, disse-lhe alguma graça, pisou-lhe o pé, ao acender os altares, nos dias de festa. Ela gostou dele, acercaram-se, amaram-se. Dessa conjunção de luxúrias vadias brotou D. Plácida. É de crer que D. Plácida não falasse ainda quando nasceu, mas se falasse podia dizer aos autores de seus dias: - Aqui estou. Para que me chamastes? E o sacristão e a sacristã naturalmente lhe responderiam: - Chamamos-te para queimar os dedos nos tachos, os olhos na costura, comer mal, ou não comer, andar de um lado para outro, na faina, adoecendo e sarando, com o fim de tornar a adoecer e sarar outra vez, triste agora, logo desesperada, amanhã resignada, mas sempre com as mãos no tacho e os olhos na costura, até acabar um dia na lama ou no hospital; foi para isso que te chamamos, num momento de simpatia".
(Machado de Assis, "Memórias Póstumas de Brás Cubas")

A palavra destacada no trecho "que devia ser sua colaboradora na VIDA de D. Plácida" mantém uma relação sinonímica com a palavra DIA(S) em:


• PUC/MG - Pont. Univ. Católica de M. Gerais/2004/Inglês
It's a sunny morning, perfect for a leisurely walk. The date: A.D. 400. You walk up the steps of the Temple of Vesta, where six virgins tend an eternal flame. Crossing the plaza through the columns of the law courts, you enter the Senate building to see the marble-lined walls. Back outside, you look at figures on the Arch of Septimus Severus, 10 meters overhead. Can't see the soldiers' faces paying obeisance to the emperor? Go ahead, levitate up for a closer look. Why not? It's a virtual world.
A funny thing happened to the Forum: it went digital. Thanks to a team of scholars, the world now has a 3-D interactive reconstruction of the heart of imperial Rome. Using PCs and modeling software, UCLA's Cultural Virtual Reality Lab re-created 22 temples, courts and monuments - perhaps the most complex historical VR re-creation ever attempted. The computer operator can take you anywhere you want to go in a simulated journey through the ancient cityscape, as in a kind of time machine.
Making each building historically accurate required serious detective work. The team used descriptions in ancient texts, modern scholarship and even images on Roman coins. The models not only aid in teaching but may also stimulate new scholarship. A lighting study of the building Julius Caesar ordered for the Senate shows that the interior was usually dim, even on the brightest day of the year. Did Caesar, who hated the senators, deliberately keep them in the dark?
The Forum may fill up with people again. Alan Kay, he computer guru who helped ioneer computer graphics at Xerox PARC and Apple, thinks "many things will come from this", and wants to turn the Forum into a tourist version of the popular fantasy game EverQuest. Soon online tourists may be visiting it, interacting with each other. See you in Rome.

You can't see the soldiers' faces because:


• UFSCAR - Univ. Federal de São Carlos/2004/Língua Portuguesa
O pregar há-de ser como quem semeia, e não como quem ladrilha ou azuleja. Ordenado, mas como as estrelas. (...) Todas as estrelas estão por sua ordem; mas é ordem que faz influência, não é ordem que faça lavor. Não fez Deus o céu em xadrez de estrelas, como os pregadores fazem o sermão em xadrez de palavras. Se de uma parte há-de estar branco, da outra há-de estar negro; se de uma parte está dia, da outra há-de estar noite; se de uma parte dizem luz, da outra hão-de dizer sombra; se de uma parte dizem desceu, da outra hão-de dizer subiu. Basta que não havemos de ver num sermão duas palavras em paz? Todas hão-de estar sempre em fronteira com o seu contrário? Aprendamos do céu o estilo da disposição, e também o das palavras.
(Vieira, "Sermão da Sexagésima".)
A metáfora do xadrez é explicada, no texto, com a seguinte figura de linguagem:


• PUC/SP - Pont. Univ. Católica de São Paulo)/2004/Inglês
Remains of Cities Found in Amazon Basin Researchers Find Evidence of Sophisticated, Pre-Columbian Civilization in the Amazon Basin

The Associated Press
Washington, Sept. 19, 2003

Researchers working in the Amazon River basin have discovered clusters of settlements linked by wide roads and surrounded by agricultural developments. The researchers, including some descendants of pre-Columbian tribes that lived along the Amazon, have unearthed evidence of densely settled, well-organized communities with roads, moats and bridges in the Upper Xingu part of the vast tropical region. The findings show the Amazon was not, as was once thought, all an untouched wilderness before Columbus came to the Americas.
Michael J. Heckenberger, first author of the study appearing this week in the journal Science, said that the ancestors of the Kuikuro people in the Amazon basin had a "complex and sophisticated" civilization with a population of many thousands during the period before 1492. "These people were not the small mobile bands or simple dispersed populations" that some earlier studies had suggested, he said. Instead, the people demonstrated sophisticated levels of engineering, planning, cooperation and architecture in carving out of the tropical rain forest a system of interconnected villages and towns making up a widespread culture based on farming.
Heckenberger said the societies that lived in the Amazon before Columbus were overlooked by experts because they did not build massive cities and pyramids and other structures common to the Mayas, Aztecs and other pre-Columbian societies in South America. Instead, they built towns, villages and smaller hamlets all laced together by precisely designed roads, some more than 50 yards across, that went in straight lines from one point to another.
Heckenberger said the people did not build with stone, as did the Mayas, but made tools and other equipment of wood and bone. Such materials quickly deteriorate in the tropical forest, unlike more durable stone structures. Building stones were not readily available along the Amazon, he said. The Amazon people moved huge amounts of dirt to build roads and plazas. At one place, there is evidence that they even built a bridge spanning a major river. The people also altered the natural forest, planting and maintaining orchards and agricultural fields, and the effects of this stewardship can still be seen today.
Diseases such as smallpox and measles, brought to the new world by European explorers, are thought to have wiped out most of the population along the Amazon. By the time scientists began studying the indigenous people, the population was sparse and far flung. As a result, some researchers assumed that was the way it was prior to Columbus. The new studies, Heckenberger said, show that the Amazon basin once was the center of a stable, well-coordinated and sophisticated society.

Em estudos anteriores à pesquisa de Heckenberger, acreditava-se que:


• PUC/RIO - Pont. Univ. Católica do Rio de Janeiro/2003/Inglês
A FAT NATION
America's 'supersize' diet is fattier and sweeter - and deadlier

Pretty, dark-haired Katie Young has been successful at most things. She's an excellent student, a star on her softball team, and a good dancer. But like so many Americans - kids and adults alike - the New Orleans 10-year-old struggles with one thing: keeping her weight under control.
When Katie started day camp in June, she discovered a snack bar where she could buy pizza, hot dogs, candy, ice cream, chips, soft drinks, and more. "Katie went nuts," says her mother, Judy Young. In the first two weeks of camp, Katie spent §nearly $40 on snack foods. "I bought a lot of pizza," Katie says. "And I bought candy and everything. I didn't feel good seeing the other kids eat those things. I wanted ¢them too."
Of course she did. Katie was acting on a basic driving force of human biology: Eat whenever food is available and eat as much of it as possible. Throughout most of human history, food was scarce, and getting a hold of £it required a great deal of physical energy. Those who ate as many calories as they could were protected against famine and had the energy to reproduce. The problem today, says Kelly Brownell, director of the Yale Center for Eating and Weight Disorders, is that there's "a complete mismatch" between biology and the environment.
America has become a fat nation. More than 61 percent of adults are overweight, and 27 percent of them - 50 million people - are obese, according to a U.S. surgeon general's report released last December. In the next decade, weight-related illnesses threaten to overwhelm the healthcare system.
Weight is also taking a heavy toll on the nation's children. The percentage of 6-to-11-year-olds who are overweight has nearly doubled in two decades, and for adolescents the percentage has tripled. Pediatricians are treating conditions ¨rarely before diagnosed in young people. In a recent study of 813 overweight Louisiana schoolchildren, for example, 58 percent had at least one heart disease risk factor, such as high blood pressure or cholesterol. (...)
Eating opportunities are endless because food is sold almost everywhere. "Just go back 20 years," says Yale's Brownell. "You never used to find more than a candy counter in a drugstore. Now there are aisles and aisles of food. If you see a gas station that does not have a food store attached, people are afraid to use ¤it. There are food courts in shopping malls. And in the schools, there are vending machines and soft-drink machines - and ¥they aren't selling carrot juice." (...)
Obesity has been linked to everything from the decline of the family dinner to the popularity of computers and video games to supersize portions of fast food. But ¦it all comes down to a simple calculation, says University of Colorado nutrition researcher James Hill: "The primary reason America is fat is that we eat too much compared to our activity level."

By Amanda Spake. U.S. News & World Report, Aug. 18, 2002.

The author's attitude in relation to the situation described in this article is one of:


• UFF - Univ. Federal Fluminense/2003/Inglês
Choose from the options below the one which does not reflect Davis' impression on Brazilian Portuguese:


• UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais/2004/História
Considerando-se o chamado "Consenso de Washington", programa proposto na década de 80 do século XX para a recuperação da economia latino-americana, é CORRETO afirmar que ele defende, entre outros pontos, a


• ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio/2004/Língua Portuguesa
Cidade grande
Que beleza, Montes Claros.
Como cresceu Montes Claros.
Quanta indústria em Montes Claros.
Montes Claros cresceu tanto,
ficou urbe tão notória,
prima-rica do Rio de Janeiro,
que já tem cinco favelas
por enquanto, e mais promete.
(Carlos Drummond de Andrade)

Entre os recursos expressivos empregados no texto, destaca-se a:


• UNESP - Univ. Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho"/2003/História
A respeito da história política de Cuba, considere os itens seguintes.

I. No início da década de 1930, Fulgêncio Batista já havia se transformado em homem forte do regime, embora só tenha ocupado a presidência posteriormente (1940-1944 e 1952-1959).
II. A Organização dos Estados Americanos (OEA) decidiu, no início da década de 1960, implementar o bloqueio econômico e político a Cuba.
III. A União Soviética apoiou o regime de Castro apenas a partir dos anos 1990, quando as dificuldades econômicas cubanas tornaram-se mais agudas.
IV. No início da ascensão de Fidel Castro ao poder, tomaram-se medidas democráticas e nacionalizantes, tais como a reforma agrária radical e a expropriação de propriedades de norte-americanos e de cubanos dos ramos petrolífero, telefônico, açucareiro e de eletricidade.
V. Apesar das divergências econômicas existentes entre Cuba e Estados Unidos da América, observam-se convergências significativas no que se refere às relações
políticas.

É correto apenas o contido em


• UFF - Univ. Federal Fluminense/2003/História
Nos anos 70 e 80 do século XX, a cultura latino-americana transformou-se em espaço de resistência às tendências autoritárias dos regimes políticos então vigentes.
Em países como o Brasil, a Argentina e o Chile, observaram-se manifestações artísticas contrárias:


• ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio/2004/Língua Portuguesa
Nesta tirinha, a personagem faz referência a uma das mais conhecidas figuras de linguagem para:


• UEL - Univ. Estadual de Londrina/2003/História
Nos textos a seguir, o narrador e a intelectual problematizam a experiência da ditadura militar na Argentina, instaurada em 1976.
"Sou o filho mais velho. Meus irmãos mais moços têm seis e quatro anos e faz agora oito meses que nós vimos papai pela última vez. Um dia muito frio e muito triste, de manhã cedo, um grupo de homens, que dizia pertencer à polícia, entrou em nossa casa armado de pistolas e levou nosso pai e depois disso não tivemos nenhuma notícia dele (...)." (Argentina. Terror Fascista Contra Crianças. "Dossiê da Anistia Internacional". p. 6-7. Liga Brasileira de Defesa dos Direitos Humanos, 1980.)

"Há romances, poemas, depoimentos (...) [que] são obstáculos contra o convite ao esquecimento, contra sua possibilidade ou imposição; teimam em opor-se à hipocrisia de uma reconciliação amnésica que pretende calar o que, de qualquer modo, já se sabe." (SARLO, Beatriz. "Paisagens imaginárias". São Paulo: Edusp, 1997. p. 32.)

Dado o confronto entre o presente e o passado recente na Argentina, o narrador e a intelectual conferem à memória e à história o trabalho de:


• UEL - Univ. Estadual de Londrina/2003/História
"O BRAZIL QUEM USA SOU EEUU"
(Grafite escrito em um muro da cidade de São Paulo)
A frase irônica procura contextualizar a relação política entre os Estados Unidos da América e o Brasil desde os movimentos pela independência no continente. Sobre o tema, considere as seguintes afirmativas:

I. A independência dos Estados Unidos, em 1776, incentivou os brasileiros que participaram de movimentos conspiratórios contra o poder colonial português.
II. Os Estados Unidos da América obrigaram Portugal a reconhecer a independência do Brasil, visando obter para si vantagens comerciais e tributárias no continente europeu.
III. A visão norte-americana do Pan-Americanismo, no século XIX, assegurou a independência econômica aos Estados americanos que conquistaram a liberdade política.
IV. Os Estados Unidos foram um dos primeiros países a estabelecer relações diplomáticas e comerciais com os Estados independentes americanos, evidenciando a inter-relação da economia com a política.

Assinale a alternativa correta.


• ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio/2004/Língua Portuguesa
Brasil
O Zé Pereira chegou de caravela
E preguntou pro guarani da mata virgem
- Sois cristão?
- Não. Sou bravo, sou forte, sou filho da Morte
Teterê tetê Quizá Quizá Quecê!
Lá longe a onça resmungava Uu! ua! uu!
O negro zonzo saído da fornalha
Tomou a palavra e respondeu
- Sim pela graça de Deus
- Canhem Babá Canhem Babá Cum Cum!
E fizeram o Carnaval
(Oswald de Andrade)

A polifonia, variedade de vozes, presente no poema resulta da manifestação do:


• UFSM - Univ. Federal de Santa Maria/2003/História
Sobre a história contemporânea da América (séculos XIX, XX e XXI), assinale a afirmativa INCORRETA.


• UNIRIO - Univ. Federal do Estado do Rio de Janeiro/2004/Língua Portuguesa
TEXTO 2

JOÃO sem terra

Viajar para a lua?
Complexo de quem gostaria de não ter nascido na Terra.
Não dele, para quem a lua é rural.
Tem a forma de uma foice ou de um fruto.
Não dele, João sem terra mas sujo de terra.

Procurar outra terra?
Mas em outra terra a mesma lua, a mesma foice o mesmo coice, a mesma condição de João sem terra e - paradoxalmente -
João sujo de terra, sub-João.

Enterro e desterro palavras que só se escrevem na Terra com terra.

Poderia ter nascido em outro planeta, por exemplo: onde não houvesse terra.
Onde não vivesse tão sujo de terra.
Mas não; nasceu na Terra.
No fundo do latifúndio os cães latindo.

João sem terra mas sujo de terra.
Corroído pelo pó da terra.
Vestido de chuva e de sol.
Girassol que erra de terra em terra.
O seu suor em flor mas para o senhor feudal da terra.
Sem terra mas na Terra.
Sem terra mas sujo de terra.
Não o João Sem Terra¢ da loura Inglaterra.

RICARDO, Cassiano. Jeremias sem-chorar. 2. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio. 1968.141 p.
¢João Sem Terra: Rei da Inglaterra (1199-1216) que assinou a Carta Magna em junho de 1215.
Para terminar a sequência descritiva de João sem terra, o eu-lírico emprega, enfaticamente, no quarto verso da última estrofe, a figura de palavra denominada:


• PUC/RS - Pont. Univ. Católica do Rio Grande do Sul/2003/História
Durante as administrações Reagan, nos anos 1980, um dos efeitos internacionais da política econômica americana, a qual visava a retomar a espiral de crescimento, foi


• PUC/RS - Pont. Univ. Católica do Rio Grande do Sul/2004/Língua Portuguesa
Um escritor sempre poderá encontrar uma forma criativa para expressar algo, sem incorrer em fórmulas desgastadas pelo uso excessivo. Tal, no entanto, NÃO ocorre em:


• UFF - Univ. Federal Fluminense/2003/Inglês
Insights on Brazil
Cultures of the World
With National Geographic Explorer-in-Residence Wade Davis

Local knowledge provides a foundation for global understanding. Wade Davis has lived among some of the most remote peoples on the planet, studying their cultures and the many different ways we humans have of communicating and expressing ourselves. Here he celebrates the diversity of Brazil.
"I've spent a lot of my life in cultures other than my own, and I've come to see that every language is a reflection of its culture. When you learn a new language, you become part of its culture. It actually changes who you are, how you move and speak and see the world. You start to take on the cadence and rhythm of the language, the body language as well as the verbal language. I think it's physically impossible to speak Brazilian Portuguese, for example, without having your body melt into a different rhythm. Of alI the languages I've heard, it's the most sensual and melodious. When you speak it, you start to use your hands more, to move with the language, to reach out to the person you're talking to. I've watched travelers in Brazil who can speak Portuguese but don't let their bodies move with it. If they carry themselves stiffly, the way they do in their home culture, the Brazilians simply don't understand them. It's like trying to waltz to salsa music. If the body language is wrong, it doesn't matter whether you have the grammar and vocabulary right. You won't be understood."
"I call Brazil the 'land of the 10,000 senses' because of the lushness and diversity of it alI. Just the Amazon rain forest alone fills the senses with its sounds, smells, colors, even its silences. The vastness of that forest in the north of the country hovers in the Brazilian psyche, as does the country's rich mix of races and mythologies. They infuse the Brazilian world and make it somehow magical."

In "...because of the lushness and diversity of it all", what does the word it refer to?


• PUC/RIO - Pont. Univ. Católica do Rio de Janeiro/2003/História
"Julgamos propícia esta ocasião para afirmar, como um princípio que afeta os direitos e interesses dos Estados Unidos, que os continentes americanos, em virtude da condição livre e independente que adquiriram e conservam, não podem mais ser considerados, no futuro, como suscetíveis de colonização por nenhuma potência europeia [...]"
(Mensagem do Presidente dos EUA James Monroe ao Congresso, 1823)

A Doutrina Monroe visava a contestar uma possível intervenção e recolonização, nas Américas, pelos governos da Europa da Santa Aliança. Assinale a alternativa que identifica uma ação ou deliberação do governo americano, nos últimos dois séculos, que melhor expressa o princípio acima.


• UERJ - Univ. do Estado do Rio de Janeiro/2004/Língua Portuguesa
SALA DE ESPERA

(Ah, os rostos sentados
numa sala de espera.
Um Diário Oficial sobre a mesa.
Uma jarra com flores.
A xícara de café, que o contínuo
vem, amável, servir aos que esperam a audiência marcada.

Os retratos em cor, na parede,
dos homens ilustres
que exerceram, já em remotas épocas,
o manso ofício
de fazer esperar com esperança.
E uma resposta, que será sempre a mesma: só amanhã.
E os quase eternos amanhãs daqueles rostos sempre adiados
e sentados
numa sala de espera.)

Mas eu prefiro é a rua.
A rua em seu sentido usual de "lá fora".
Em seu oceano que é ter bocas e pés
para exigir e para caminhar.
A rua onde todos se reúnem num só ninguém coletivo.
Rua do homem como deve ser:
transeunte, republicano, universal.

Onde cada um de nós é um pouco mais dos outros
do que de si mesmo.
Rua da procissão, do comício,
do desastre, do enterro.
Rua da reivindicação social, onde mora
o Acontecimento.

A rua! uma aula de esperança ao ar livre.

(RICARDO, Cassiano. Antologia Poética. Rio de Janeiro: Editora do Autor, 1964.)

A construção poética do discurso baseia-se frequentemente na utilização de figuras de linguagem, como a metonímia.
O poeta recorreu a esta figura em:


• FATEC - Centro Est. de Educação Tecno. Paula Souza/2003/Inglês
Hackers Breach Student Database at the University of Texas

AUSTIN - Hackers broke into a University of Texas database and stole the names, Social Security numbers and e-mail addresses of more than 55,000 students, former students and employees, officials said.
It wasn't clear whether the information was used to illegally obtain credit cards or withdraw money from bank accounts. School officials said they were notifying the victims.
Travis County prosecutor Ronnie Earle said search warrants related to the case were served late Wednesday in Austin and Houston. He declined further comment. Federal authorities did not immediately return calls.
The theft was discovered Sunday when employees found a computer malfunction, according to Daniel A. Updegrove, the university's vice president for information technology, who described the incident on the school's Web site.
The database was hacked into from a computer in Austin several times beginning on Feb. 26 and ending Sunday. Updegrove said the hackers used a program to query the database with 3 million potential Social Security numbers, resulting in about 55,200 successful matches.
Updegrove acknowledged that the breach could have been prevented with basic precautions.

Washington Post, March 7, 2003

Considere a frase "School officials said they were notifying the victims.", no segundo parágrafo do texto.
Assinale a alternativa em que a transposição dessa frase para o discurso direto está correta.


• PUC/MG - Pont. Univ. Católica de M. Gerais/2003/História
Na América Latina, a identidade ainda é questão aberta, na qual são problemas ainda pendentes, EXCETO:


• PUC/MG - Pont. Univ. Católica de M. Gerais/2003/Inglês
One of the most important art critics in Victorian England was John Ruskin (1819-1900). His views on painting, sculpture and architecture were enormously influential and he was the author of several books on art. His opinion of new works of art could be unpredictable.
In 1877, in an exhibition of new paintings in a gallery in London, Ruskin very much disliked a painting entitled The Falling Rocket by James Whistler (1834-1903), an American artist. To Ruskin it seemed just a few splashes of yellow paint on a dark blue background. He was shocked at the high price - * 220 - being asked for the painting. He immediately wrote a newspaper article criticising Whistler for asking so much "just for flinging a pot of paint in the public's face". Whistler was so furious that he decided to take Ruskin to court and demand compensation, accusing him of libel: that is, telling lies in print.
When the case was heard, the judge and jury were not very sympathetic to Whistler - his art seemed too "modern" for their taste. When he declared he had taken two days to paint The Falling Rocket, Ruskin's lawyer asked him how he could justify asking so much money for so little work. Whistler replied, "I do not ask the money for two days' work. I ask it for the twenty years it has taken me to learn how to create such a painting in two days."
Whistler won his case but he received only a very small amount in damages, a purely nominal sum. The judge ordered the legal costs - * 800 - to be divided equally between the two men. Ruskin had many supporters who put up the money to pay his costs so he did not suffer financially, but Whistler had to pay his own costs, which made him bankrupt.

(MORRIS, Susan; STANTON, Alan. "Nelson First Certificate Workbook". London: Nelson English Language Teaching, 1993, p. 66. Adapted.)

The word "which" refers to the fact that Whistler


• UFSCAR - Univ. Federal de São Carlos/2003/Língua Portuguesa
O marinheiro sueco, um loiro de quase dois metros, entrou no bar, soltou um bafo pesado de álcool na cara de Nacib e apontou com o dedo as garrafas de "Cana de Ilhéus". Um olhar suplicante, umas palavras em língua impossível. Já cumprira Nacib, na véspera, seu dever de cidadão, servira cachaça de graça aos marinheiros. Passou o dedo indicador no polegar, a perguntar pelo dinheiro. Vasculhou os bolsos o loiro sueco, nem sinal de dinheiro. Mas descobriu um broche engraçado, uma sereia dourada. No balcão colocou a nórdica mãe-d'água, Yemanjá de Estocolmo. Os olhos do árabe fitavam Gabriela a dobrar a esquina por detrás da Igreja. Mirou a sereia, seu rabo de peixe. Assim era a anca de Gabriela. Mulher tão de fogo no mundo não havia, com aquele calor, aquela ternura, aqueles suspiros, aquele langor. Quanto mais dormia com ela, mais tinha vontade. Parecia feita de canto e dança, de sol e luar, era de cravo e canela. Nunca mais lhe dera um presente, uma tolice de feira. Tomou da garrafa de cachaça, encheu um copo grosso de vidro, o marinheiro suspendeu o braço, saudou em sueco, emborcou em dois tragos, cuspiu. Nacib guardou no bolso a sereia dourada, sorrindo. Gabriela riria contente, diria a gemer: "precisava não, moço bonito ..." E aqui termina a história de Nacib e Gabriela, quando renasce a chama do amor de uma brasa dormida nas cinzas do peito.

Assinale a alternativa que contém um trecho em que o autor apresenta as informações numa linguagem altamente conotativa.


• PUC/MG - Pont. Univ. Católica de M. Gerais/2003/História
O Projeto da Aliança para o Progresso apresentado pelo Presidente Kennedy, durante a Conferência Econômica e Social de Punta Del Este, no Uruguai, em agosto de 1961, propunha, EXCETO:


• UFSCAR - Univ. Federal de São Carlos/2003/Língua Portuguesa
O marinheiro sueco, um loiro de quase dois metros, entrou no bar, soltou um bafo pesado de álcool na cara de Nacib e apontou com o dedo as garrafas de "Cana de Ilhéus". Um olhar suplicante, umas palavras em língua impossível. Já cumprira Nacib, na véspera, seu dever de cidadão, servira cachaça de graça aos marinheiros. Passou o dedo indicador no polegar, a perguntar pelo dinheiro. Vasculhou os bolsos o loiro sueco, nem sinal de dinheiro. Mas descobriu um broche engraçado, uma sereia dourada. No balcão colocou a nórdica mãe-d'água, Yemanjá de Estocolmo. Os olhos do árabe fitavam Gabriela a dobrar a esquina por detrás da Igreja. Mirou a sereia, seu rabo de peixe. Assim era a anca de Gabriela. Mulher tão de fogo no mundo não havia, com aquele calor, aquela ternura, aqueles suspiros, aquele langor. Quanto mais dormia com ela, mais tinha vontade. Parecia feita de canto e dança, de sol e luar, era de cravo e canela. Nunca mais lhe dera um presente, uma tolice de feira. Tomou da garrafa de cachaça, encheu um copo grosso de vidro, o marinheiro suspendeu o braço, saudou em sueco, emborcou em dois tragos, cuspiu. Nacib guardou no bolso a sereia dourada, sorrindo. Gabriela riria contente, diria a gemer: "precisava não, moço bonito ..." E aqui termina a história de Nacib e Gabriela, quando renasce a chama do amor de uma brasa dormida nas cinzas do peito.

No texto, o autor relaciona a cultura nacional à estrangeira, buscando, por meio da comparação, estabelecer equivalências entre elas. O trecho do texto que indica esse tipo de comparação é:


• UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais/2003/História
No contexto da Revolução Mexicana, na segunda década do século passado, o Exército Libertador do Sul, liderado por Emiliano Zapata, sublevou-se no México. No final do mesmo século, em 1994, no estado sulista de Chiapas, a organização denominada Exército Zapatista de Libertação Nacional iniciou um movimento rebelde.
Os dois movimentos referidos têm vários pontos em comum, entre os quais, destaca-se a luta para


• UFRRJ - Univ. Federal Rural do Rio de Janeiro/2003/Língua Portuguesa
TEXTO III

Primaveras na Serra

Claridade quente da manhã vaidosa.
O sol deve ter posto lente nova,
e areou todas as manchas,
para esperdiçar luz.

Dez esquadrilhas de periquitos verdes
receberam ordem de partida,
deixando para as araras cor de fogo,
o pequizeiro morto.
E a árvore, esgalhada e seca, se faz verde,
vermelha e castanha, entre os mochoqueiros,
braúnas, jatobás e imbaúbas do morro,
na paisagem que um pintor daltônico
pincelou no dorso de um camaleão.

E o lombo da serra é tão bonito e claro,
que até uma coruja,
tonta e míope na luz,
com grandes óculos redondos,
fica trepada no cupim, o dia inteiro,
imóvel e encolhida, admirando as cores,
fatigada, talvez, de tanta erudição...

ROSA, João Guimarães. "Magma". Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997. p. 141.

O verso que encerra uma metáfora é:


• UFV - Univ. Federal de Viçosa/2003/História
Antes da Revolução de 1959, os cubanos sofreram com o agudo processo de concentração de renda e terra, e com o aumento do desemprego. A miséria crescia entre os trabalhadores da agricultura e os migrantes alojados nas periferias das grandes cidades. Neste período, outros fatores contribuíram para agravar a conjuntura que levou Cuba à Revolução, tais como:

I - o estabelecimento de acordos econômicos e militares do governo cubano com a URSS, visando à organização de uma base estratégica do socialismo na América Latina.
II - a ampliação dos investimentos externos na extração dos poucos recursos minerais, no turismo e na produção de cana que transformou Cuba no maior produtor mundial de açúcar.
III - a diminuição da dependência cultural e do controle dos EUA, o que levou a Ilha a obter maior visibilidade junto aos países latino-americanos e simpatizantes das esquerdas nacionais.
IV - a instalação da ditadura de Fulgencio Batista, a partir de 1952, que estabeleceu um clima de Terror e repressão às oposições, o que correspondia à tensão internacional da Guerra Fria.
V - a abertura irrestrita de concessões aos capitais estadunidenses, que converteu Havana em campo de ação da Máfia americana, da exploração do jogo, do tráfico de drogas e da prostituição.

Assinale a alternativa que apresenta os fatores CORRETOS:


• PUC/MG - Pont. Univ. Católica de M. Gerais/2003/Língua Portuguesa
Em todas os trechos retirados de "Memórias Sentimentais de João Miramar" ocorre metonímia, EXCETO:


• UNESP - Univ. Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho"/2003/História
A reforma agrária renasceu como um grande processo de reestruturação econômica do campo e, por sua vez, como um gigantesco plano de organização da massa rural do ponto de vista econômico e social. A ação do Estado penetrou até os mais obscuros rincões da vida camponesa, convertendo-a em parte da vida do Estado (...) O passo dado por Cárdenas não podia ser mais decisivo; não se tratava de somente repartir terras, mas sobretudo de fazer dos camponeses sustentáculos do regime revolucionário.
(Arnaldo Córdoba, "La política de masas del cardenismo")

Na década de 1930, Cárdenas e outros governantes da América Latina realizaram políticas reformistas. Havia, no entanto, diferenças entre elas:


• PUC/CAMPINAS - Pont. Univ. Católica de Campinas/2003/Inglês
Texto II
As thoughtful people concerned about world affairs, our job is to pick up globalization, examine it from all sides, dissect it, figure out what makes it tick, and then nurture and promote the good parts and mitigate or slow down the bad parts. Globalization is much like fire. Fire itself ... Used properly, it can cook food, sterilize equipment, form iron, and heat our homes. Used carelessly, fire can destroy lives, towns and forests in an instant. Globalization can be incredibly empowering and incredibly coercive. It can democratize opportunity and democratize panic. It leaves you behind faster and faster, and it catches up to you faster and faster. While it is homogenizing cultures, it is also enabling people to share their unique individuality farther and wider. Globalization has dangers and an ugly dark side. But it can also bring tremendous opportunities and benefits.(Adapted from Globalization. Copyright 2002 About, Inc.)

O texto sobre globalização, em inglês,


• MACKENZIE - Univ. Presbiteriana Mackenzie/2003/Língua Portuguesa
Bonde
O transatlântico mesclado
Dlendlena e esguicha luz
Postretutas e famias sacolejam

Oswald de Andrade

"Transatlântico mesclado" é exemplo de:


• ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica/2004/Inglês
Commentary
Human Development 1997; 40: 96 -101

A New Generation: New Intellectual Opportunities
James Youniss

The Catholic University of America, Washington, D.C., USA

These comments on the publication of the new handbook are written from the perspective of a member of the in-betweengeneration. In-betweeners were born about the time Murchison edited the first and second handbooks in the 1930s. They spent childhood watching newreels of World War II at movie houses featuring "cowboy" serials on Saturday afternoons. Their professional education straddled two psychological eras. It began just as the 'experimental psychology' paradigm was ending its domination and it was completed as new alternatives were coming into view. (...)
Had they been born just a few years earlier, they would have been part of that powerful and long-lasting generation that entered the military during World War II and filled the universities immediately after the war. This unusual ¢cohort held leadership in the discipline of psychology in general and developmental psychology, in particular, for several decades. (...)

O termo "cohort" (ref. 1) refere-se


• PUC/SP - Pont. Univ. Católica de São Paulo)/2003/História
As lutas por direitos civis nos Estados Unidos na década de 60 (século XX) tiveram, entre suas características centrais, a


• MACKENZIE - Univ. Presbiteriana Mackenzie/2003/Língua Portuguesa
Antes de concluir este capítulo, fui à janela indagar da noite por que razão os sonhos hão de ser assim tão tênues que se esgarçam ao menor abrir de olhos ou voltar de corpo, e não continuam mais. A noite não me respondeu logo. Estava deliciosamente bela, os morros palejavam de luar e o espaço morria de silêncio. ¨Como eu insistisse, declarou-me que os sonhos já não pertencem à sua jurisdição. Quando eles moravam na ilha que Luciano lhes deu, onde ela tinha o seu palácio, e donde os fazia sair com as suas caras de vária feição, dar-me-ia explicações possíveis. Mas os tempos mudaram tudo. Os sonhos antigos foram aposentados, e os modernos moram no cérebro da pessoa. Estes, ainda que quisessem imitar os outros, não poderiam fazê-lo; a ilha dos Sonhos, como a dos Amores, como todas as ilhas de todos os mares, são agora objeto da ambição e da rivalidade da Europa e dos Estados Unidos.

Machado de Assis - "D.Casmurro"
palejavam: tornavam pálidos

No texto, o elemento "noite" é exemplo de:


• PUC/PR - Pont. Univ. Católica do Paraná/2003/História
A emergência do populismo na vida política da América Latina data da década de 1930, durando até os anos 60/70 do século XX, quando se evidencia a falência do modelo.
A respeito do tema, assinale a única alternativa INCORRETA:


• MACKENZIE - Univ. Presbiteriana Mackenzie/2003/Língua Portuguesa
Socorro
Alguém me dê um coração
Que este já não bate nem apanha.
Arnaldo Antunes e Alice Ruiz

Assinale a alternativa correta.


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2003/Língua Portuguesa
O Mundo das Não-palavras

Já o disseram muitos, e de várias maneiras, que os problemas do conhecer e do compreender centralizam-se em torno da relação entre a linguagem e a realidade, entre o símbolo e o fato. Estas marcas de tinta sobre as quais correm ¦nossos olhos, essas marcas de tinta que concordamos em chamar palavras, e estas palavras que concordamos em aceitar como "moeda legal" para a troca de informações, por que mágica, por que regras prosaicas, exercem elas suas estranhas funções? Se olharmos demoradamente para uma palavra, ela se converterá, de fato, para nós em meras marcas de tinta dentro de um padrão peculiar de linhas. A princípio, parece escrita corretamente, depois já não podemos ter certeza disso, e finalmente somos dominados pela impressão de que o simples cogitar de sua grafia é penetrar nos mais intrincados labirintos da Humanidade.
Está claro que, se olharmos reflexivamente para qualquer coisa por um espaço de tempo suficientemente longo, como um bezerro olha para uma porteira nova, ela tende a aparecer afinal como se fosse totalmente inexplicável. Um grande filósofo observou, de uma feita, que a mais estranha invenção em toda a História era essa cobertura peculiar para o pé humano que nós denominamos meia. Ele estivera olhando para uma delas durante vários minutos. Há momentos, contudo, em que parece impossível que qualquer outra invenção humana pudesse ser mais surpreendente e estranha do que uma palavra - a palavra meia, por exemplo.

(Wendell Johnson, tradução de Octavio Mendes Cajado.)

No texto (ref. 1), encontra-se o seguinte trecho destacado:
JÁ O DISSERAM MUITOS, E DE VÁRIAS MANEIRAS, QUE OS PROBLEMAS (...). Nesse trecho, ocorre a seguinte figura:


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2005/Inglês
MORE CRASH MYSTERIES

Russian officials finally confirmed that terrorism was the likely cause of two nearly simultaneous crashes of airliners that took off from Moscow's Domodedovo airport on Aug. 24. But to many Russians, the announcement took far too long. In the days immediately following the crashes, the government suggested they were caused by mechanical problems or contaminated fuel. Only after the Russian media reported the presence of two Chechen women (one on each flight) whose families had yet to come forward to claim them, did the Federal Security Service change tack, announcing that traces of the explosive hexogen had been found amid the wreckage of both planes. One theory: the crashes were the work of a cultlike band of militant Chechen women, known as "Black Widows" because their husbands were killed fighting Russian security forces.
In the past Moscow has been quick to blame Chechen rebels for mysterious explosions, with often thin evidence. But some Kremlin-watchers argue that pointing the finger at Chechnya right now could be politically dangerous for Russian President Vladimir Putin. With Kremlin-backed candidate Alu Alkhanov likely to win Chechen presidential elections on Aug. 29, the last thing Putin wants is more anti-Moscow sentiment in the region. "The elections have come under so much criticism," says Rustam Kaliyev, a Moscow -based Caucasus analyst. "Putin needs to show there's unity in the country." The Kremlin is particularly wary of offending Chechen voters, who are sensitive about being associated with terrorists, adds Kaliyev. A major new terrorist attack would also suggest that Putin has failed to achieve the stability he keeps promising in Chechnya. Two attacks would practically prove it.
ANNA KUCHMENT and MARK HOSENBALL (NEWSWEEK)

According to the information in the article, many Russians


• PUC/MG - Pont. Univ. Católica de M. Gerais/2003/Inglês
One of the most important events of the twentieth century was the discovery of DNA, which led to the development of genetic engineering. Genetic engineering stands out as a significant twentieth-century event because it may allow us to end disease, hunger and pollution.
Although genetic engineering, as we know it today, is a relatively new science, for thousands of years, breeders of plants and animals have used breeding methods to produce better combinations of genes. We owe the success of modern technologies to the discovery of the structure of DNA by biologists James Watson and Francis Crick in 1953. Because of their discovery, scientists developed techniques for altering genes or combinations of genes in an organism. By changing an organism's genes, scientists were able to give organisms and their descendants different traits.
It is clear that the discovery of DNA and the subsequent development of genetic engineering techniques have dramatically changed our view of life and our ability to influence human health and the environment. These techniques allow doctors to insert normal genes into the cells of a patient with a hereditary disease to treat the disorder. Disorders that people have suffered and died from for centuries, such as cancer and cystic fibrosis, may now be eliminated.
In addition, scientists have engineered special genes into corn, tomato and soybean plants to make them resistant to disease. Improving the quality of food plants may lead to an end in world hunger. Genetic engineering also has potential in controlling pollution. Researchers are developing genetically engineered microorganisms that break down garbage, toxic substances, and other wastes.

(BLASS, Laurie; PIKE-BAKY, Meredith. "Tapestry - Writing 2". Boston: Heinle & Heinle Publishers, 2000, p. 200. Adapted).

Scientists can give organisms different characteristics by


• UFG - Univ. Federal de Goiás/2005/Inglês
The art of movement

FREE-RUNNING OR PARKOUR HAS BEEN DESCRIBED AS "THE ART OF MOVEMENT". ITS OBJECTIVE IS TO MOVE THROUGH CITIES IN ORIGINAL WAYS - CLIMBING, RUNNING AND JUMPING ACROSS THE URBAN LANDSCAPE. Experienced traceurs such as the sport's founders, David Belle and Sebastian Foucan, have extraordinary athletic skills and take risks that are just as incredible. For the BBC film Rush Hour David Belle leapt nine metres between buildings with no wire or safety net. Such dramatic stunts have helped bring parkour into the mainstream, as did the Luc Besson film Yamasaki named after Paris's first clan of traceurs. Belle and some of his associates were unhappy with Besson's film, which showed traceurs as criminals, and he and Foucan have since gone their separate ways. Foucan now promotes the sport, which is attracting new followers in cities around the world, under its alternative name of free-running.
EVANS, Piers Grimley. The parkour phenomenon. "Speak Up". São Paulo: Peixes, n. 208, Sept. 2004, p. 39.

Vocabulário
Landscape: panorama, paisagem
Traceurs: praticantes de parkour
Stunts: proezas, acrobacias
Mainstream: na moda, em voga

Além do "parkour", outra novidade - a TV aberta em Manchester - foi apresentada na mesma revista, por meio de uma entrevista com a responsável pelo projeto, Sarah Griffiths. Leia o seguinte trecho da entrevista.

The Big Screen is actually all about an experiment in public space broadcasting. It has got a giant screen, which measures 25 square metres, and it is fixed on the side of the main shopping squares. It broadcasts 24-hour-a-day television and includes sound, which is unusual for a lot of the screens.
WORKMAN, Derek. The big picture. "Speak Up". São Paulo: Peixes, n. 208, Sept. 2004, p. 16. [Adaptado].

Comparando esse trecho com as duas primeiras frases (em destaque) do texto "The art of movement", conclui-se que os dois fragmentos objetivam


• ITA - Instituto Tecnológico de Aeronáutica/2001/Inglês
Tapestry
R. L. Oxford & R. C.
Scarcella (série)
Heinle & Heinle - Boston,
Massachusetts, 1994, p. 156

Considere as afirmações abaixo:

I. O menino acaba de assinar um documento pedindo a exclusão do beisebol como esporte obrigatório na escola.
II. Segundo o garoto, as pessoas referem-se pejorativamente a meninos que não praticam esportes.
III. Na opinião do garoto, a vida das meninas é mais tranqüila que a vida dos meninos na sociedade atual.

Está(ão) condizente(s) com o texto:


• UFRN - Univ. Federal do Rio Grande do Norte/2003/Língua Portuguesa
Pelas narinas

Intervalo de aula em escola pública de Antonina (PR): a molecada, barriga vazia, faz fila para pegar a merenda. Um funcionário do colégio, então, saca um frasco de perfume do bolso, manda uma borrifada num garoto e fala: "Hoje é Ralph Lauren, hein. Quero ver todo mundo cheiroso." A molecada corre, pula, rola no chão, faz aquela algazarra tradicional do intervalo, mas volta perfumada para a sala de aula. Os professores têm adorado.
Em Antonina, é assim, pensa o quê? Segunda-feira, na merenda, em lugar do caldinho, perfume Calvin Klein. Terça, Christian Dior. Quarta, Dolce & Gabanna. Quinta, Gianni Versace. Sexta, Hugo Boss. Tudo porque Ironaldo Pereira de Deus, ex-prefeito da cidade, gastou o dinheiro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), reservado à merenda, na contratação de uma empresa que vende perfumes e cosméticos. Bonito. Tá certíssimo. Chega de fazer feio nas grandes avaliações mundiais de educação! Nossos estudantes podem não saber tabuada do dois, mas nem os franceses são mais cheirosos. Sem falar que é coerente, num país que trata educação como perfumaria.
Ironaldo, esse visionário do ensino, é um dos expoentes do que há de mais moderno na educação brasileira: a pedagogia da ausência. Inspirados nas ideias defendidas pelo Jornalista Gilberto Dimenstein, de que o mundo todo, e não só a escola, é um ambiente de aprendizado, nossos governantes confundiram um pouco as coisas e deram um passo à frente (ou atrás), sumindo com a própria escola.
Sentindo, lá de Brasília, o agradável cheiro de perfume francês, o Tribunal de Contas da União (TCU) descobre, toda semana, irregularidades no uso das verbas do FNDE pelo país. Para grande surpresa de todos nós, claro, que nunca desconfiamos de que esse tipo de coisa acontecesse. Ainda bem que não fede.
Paulo R. Freire

Educação. São Paulo: Segmento, ano 28, n. 252, p. 13, abr. 2002.

Considere o trecho:
"[...] o Tribunal de Contas da União (TCU) descobre, toda semana, irregularidades no uso das verbas do FNDE pelo país. Para grande surpresa de todos nós, claro, que nunca desconfiamos de que esse tipo de coisa acontecesse. Ainda bem que não FEDE."

A forma verbal em destaque encontra-se no singular por:


• UFRN - Univ. Federal do Rio Grande do Norte/2003/Língua Portuguesa
Pelas narinas

Intervalo de aula em escola pública de Antonina (PR): a molecada, barriga vazia, faz fila para pegar a merenda. Um funcionário do colégio, então, saca um frasco de perfume do bolso, manda uma borrifada num garoto e fala: "Hoje é Ralph Lauren, hein. Quero ver todo mundo cheiroso." A molecada corre, pula, rola no chão, faz aquela algazarra tradicional do intervalo, mas volta perfumada para a sala de aula. Os professores têm adorado.
Em Antonina, é assim, pensa o quê? Segunda-feira, na merenda, em lugar do caldinho, perfume Calvin Klein. Terça, Christian Dior. Quarta, Dolce & Gabanna. Quinta, Gianni Versace. Sexta, Hugo Boss. Tudo porque Ironaldo Pereira de Deus, ex-prefeito da cidade, gastou o dinheiro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), reservado à merenda, na contratação de uma empresa que vende perfumes e cosméticos. Bonito. Tá certíssimo. Chega de fazer feio nas grandes avaliações mundiais de educação! Nossos estudantes podem não saber tabuada do dois, mas nem os franceses são mais cheirosos. Sem falar que é coerente, num país que trata educação como perfumaria.
Ironaldo, esse visionário do ensino, é um dos expoentes do que há de mais moderno na educação brasileira: a pedagogia da ausência. Inspirados nas ideias defendidas pelo Jornalista Gilberto Dimenstein, de que o mundo todo, e não só a escola, é um ambiente de aprendizado, nossos governantes confundiram um pouco as coisas e deram um passo à frente (ou atrás), sumindo com a própria escola.
Sentindo, lá de Brasília, o agradável cheiro de perfume francês, o Tribunal de Contas da União (TCU) descobre, toda semana, irregularidades no uso das verbas do FNDE pelo país. Para grande surpresa de todos nós, claro, que nunca desconfiamos de que esse tipo de coisa acontecesse. Ainda bem que não fede.
Paulo R. Freire

Educação. São Paulo: Segmento, ano 28, n. 252, p. 13, abr. 2002.

No trecho "Sentindo, lá de Brasília, o agradável cheiro de perfume francês, o Tribunal de Contas da União (TCU) descobre, toda semana, irregularidades no uso das verbas do FNDE pelo país", o emprego conotativo da linguagem atribui ao TCU uma imagem de:


• UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais/2004/Inglês
Why is the South Pole colder than the North Pole? Robert Bindschadler, a senior fellow and glaciologist at NASA's Goddard Space Flight Center, explains.

Both polar regions of the earth are cold, primarily because they receive far less solar radiation than the tropics and mid-latitudes do. At either pole the sun never rises more than 23.5 degrees above the horizon and both locations experience six months of continuous darkness. Moreover, most of the sunlight that does shine on the polar regions is reflected by the bright white surface.
What makes the South Pole so much colder than the North Pole is that it sits on top of a very thick ice sheet, which ¢itself ¥sits on a continent. The surface of the ice sheet at the South Pole is more than 9,000 feet in elevation - more than a mile and a half above sea level. Antarctica is by far the highest continent on the earth. In comparison, the North Pole £rests in the middle of the Arctic Ocean, where the surface of floating ice ¦rides only a foot or so above the surrounding sea. The Arctic Ocean also ¤acts as an effective heat reservoir, warming the cold atmosphere in the winter and drawing heat from the atmosphere in the summer.
http://www.sciam.com

The South Pole is colder than the North Pole because the first


• UFRN - Univ. Federal do Rio Grande do Norte/2003/Língua Portuguesa
Pelas narinas

Intervalo de aula em escola pública de Antonina (PR): a molecada, barriga vazia, faz fila para pegar a merenda. Um funcionário do colégio, então, saca um frasco de perfume do bolso, manda uma borrifada num garoto e fala: "Hoje é Ralph Lauren, hein. Quero ver todo mundo cheiroso." A molecada corre, pula, rola no chão, faz aquela algazarra tradicional do intervalo, mas volta perfumada para a sala de aula. Os professores têm adorado.
Em Antonina, é assim, pensa o quê? Segunda-feira, na merenda, em lugar do caldinho, perfume Calvin Klein. Terça, Christian Dior. Quarta, Dolce & Gabanna. Quinta, Gianni Versace. Sexta, Hugo Boss. Tudo porque Ironaldo Pereira de Deus, ex-prefeito da cidade, gastou o dinheiro do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), reservado à merenda, na contratação de uma empresa que vende perfumes e cosméticos. Bonito. Tá certíssimo. Chega de fazer feio nas grandes avaliações mundiais de educação! Nossos estudantes podem não saber tabuada do dois, mas nem os franceses são mais cheirosos. Sem falar que é coerente, num país que trata educação como perfumaria.
Ironaldo, esse visionário do ensino, é um dos expoentes do que há de mais moderno na educação brasileira: a pedagogia da ausência. Inspirados nas ideias defendidas pelo Jornalista Gilberto Dimenstein, de que o mundo todo, e não só a escola, é um ambiente de aprendizado, nossos governantes confundiram um pouco as coisas e deram um passo à frente (ou atrás), sumindo com a própria escola.
Sentindo, lá de Brasília, o agradável cheiro de perfume francês, o Tribunal de Contas da União (TCU) descobre, toda semana, irregularidades no uso das verbas do FNDE pelo país. Para grande surpresa de todos nós, claro, que nunca desconfiamos de que esse tipo de coisa acontecesse. Ainda bem que não fede.
Paulo R. Freire

Educação. São Paulo: Segmento, ano 28, n. 252, p. 13, abr. 2002.
No primeiro parágrafo do texto, predomina.


• ENEM - Exame Nacional do Ensino Médio/2003/Língua Portuguesa
No ano passado, o governo promoveu uma campanha a fim de reduzir os índices de violência. Noticiando o fato, um jornal publicou a seguinte manchete:

CAMPANHA CONTRA A VIOLÊNCIA DO GOVERNO DO ESTADO ENTRA EM NOVA FASE

A manchete tem um duplo sentido, e isso dificulta o entendimento. Considerando o objetivo da notícia, esse problema poderia ter sido evitado com a seguinte redação:


• UNIRIO - Univ. Federal do Estado do Rio de Janeiro/2002/Língua Portuguesa
LUZ DO SOL

Luz do sol,
Que a folha traga e traduz
Em verde novo, em folha, em graça,
Em vida, em força e em luz
Céu azul,
Que vem até aonde os pés tocam a terra
E a terra expira e exala seus azuis.

Reza, reza o rio,
Córrego pro rio,
O rio pro mar.
Reza a correnteza,
Roça a beira,
Doura a areia.

Marcha o homem sobre o chão,
Leva no coração uma ferida acesa.
Dono do sim e do não
Diante da visão da infinita beleza
Finda por ferir com a mão essa delicadeza,
A coisa mais querida:
A glória da vida.

(Caetano Veloso)

O recurso estilístico encontrado no verso "Em verde novo, em folha, em graça," é:


• UNIRIO - Univ. Federal do Estado do Rio de Janeiro/2003/Língua Portuguesa
Canção e calendário

Sol de montanha
Sol esquivo de montanha
Felicidade
Teu nome é
Maria Antonieta d'Alkmin

No fundo do poço
No cimo do monte
No poço sem fundo
Na ponte quebrada
No rego da fonte
Na ponta da lança
No monte profundo
Nevada
Entre os crimes contra mim
Maria Antonieta d'Alkmin

Felicidade forjada nas trevas
Entre os crimes contra mim
Sol de montanha
Maria Antonieta d'Alkmin

Não quero mais as moreninhas de Macedo
Não quero mais as namoradas
Do senhor poeta
Alberto d'Oliveira
Quero você
Não quero mais
Crucificadas em meus cabelos
Quero você

Não quero mais
A inglesa Elena
Não quero mais
A irmã da Nena
Não quero mais
A bela Elena
Anabela
Ana Bolena
Quero você

Toma conta do céu
Toma conta da terra
Toma conta do mar
Toma conta de mim
Maria Antonieta d'Alkmin

E se ele vier
Defenderei
E se ela vier
Defenderei
E se eles vierem
Defenderei
E se elas vierem todas
Numa guirlanda de flechas
Defenderei
Defenderei
Defenderei

Cais de minha vida
Partida sete vezes
Cais de minha vida quebrada
Nas prisões
Suada nas ruas
Modelada
Na aurora indecisa dos hospitais

Bonançosa bonança.

(Oswald de Andrade. "Cântico dos Cânticos para flauta e violão".)

Dentre os vocativos empregados nesse poema, destaca-se o termo FELICIDADE (verso 3), que não é pessoa, o que constitui uma figura de retórica denominada.


• FGV/SP - Fundação Getúlio Vargas/2003/História
Em 1992, milhões de brasileiros saíram às ruas exigindo o "impeachment" do então presidente Fernando Collor de Mello. Apesar das dificuldades do termo em inglês, os manifestantes logo aprenderam que se tratava de um mecanismo legal para o afastamento do presidente e a perda do mandato presidencial. Na verdade, o mundo todo acompanhara, alguns anos antes, a renúncia de um presidente ameaçado por um pedido de "impeachment" registrado no Congresso de seu país.
Essa situação refere-se a:




mais >>