O que são íntrons e éxons?
Íntrons são regiões não-codificantes do RNA mensageiro, enquanto os éxons são regiões codificantes do RNA m. Eles estão relacionados a uma etapa muito importante do processo de síntese protéica dos eucariontes, denominada “splicing”. Neste processo (cujo nome significa “ato de cortar” em português), regiões específicas do RNA mensageiro (os íntrons) são recortadas e eliminadas. Devemos lembrar que o RNA mensageiro é uma molécula de ácido nucleico sintetizada no núcleo através da transcrição da mensagem contida no DNA. Esses íntrons eliminados são segmentos não-codificantes, porque não levam nenhuma mensagem para produção de proteínas. Depois que eles são eliminados, os segmentos resultantes (os éxons) unem-se entre si, formando a molécula de RNA mensageiro funcional, com a mensagem madura, ou mensagem propriamente dita. Este processo é importante pois somente após ter passado por ele é que o RNA mensageiro se torna ativo na codificação da mensagem que levará à produção de uma proteína específica. As enzimas envolvidas no processo de “splicing” são formadas por um complexo de proteína e RNA (diferente da maioria das enzimas), sendo denominadas snRNPs, ou pequenas partículas de ribonucleoproteína nuclear (pronunciadas snurps). Acredita-se que a principal vantagem da ocorrência desse processo nos eucariontes seja o fato de seus transcritos primários poderem ser processados de vários modos (como um kit de montagem) para a produção de diferentes RNAs mensageiros maduros, dependendo do organismo ou do estágio de desenvolvimento em que ele se encontra, produzindo diferentes proteínas a partir de um mesmo segmento de DNA.